sexta-feira, junho 23, 2006

Lendas Portuguesas

Há muito tempo atrás, na zona que é hoje conhecida como boca do Inferno, existia um enorme castelo onde habitava um homem de aspecto feroz, que se dedicava à feitiçaria.Um dia esse homem decidiu casar-se e, para escolher a mulher mais bela das redondezas, consultou a sua lâmina de cristal de rocha para saber qual a casa onde deveria ir buscá-la.
Quando os seus cavaleiros voltaram ficou estupefacto. A jovem era ainda mais bela do que imaginara. Ficou, imediatamente, tão ciumento que decidiu escondê-la para preservar o seu amor.
Fechou a sua mulher numa torre alta e solitária e escolheu para guardião o seu cavaleiro mais fiel. A jovem no alto da torre sentia-se tão só quanto o seu guardião. Tinham por única companhia o mar e as suas marés.Um dia, a curiosidade do cavaleiro falou mais alto. Quem seria aquela mulher encerrada na torre há tanto tempo? Como seria? Pegou na chave e decidiu subir. Junto à porta o cavaleiro parou para recuperar o fôlego e tomar coragem. Quando a abriu ficou espantado com a beleza da prisioneira.
A partir daquele dia partilharam os momentos de solidão, nascendo, assim, um grande amor entre os dois. Decidiram fugir juntos, esquecendo-se que, através da sua magia, o feiticeiro sabia de tudo. Montaram no cavalo branco do cavaleiro e cavalgaram pelos rochedos junto ao mar.
Enquanto isso, no castelo, cheio de raiva e ciúme, o feiticeiro criou uma tempestade assustadora que fez com que os rochedos, por onde os dois amantes caminhavam, se abrissem como se fossem uma grande boca infernal. Cavalo e cavaleiros foram engolidos pelas águas, tendo desaparecido para sempre.
O buraco nunca mais se fechou e o povo começou a chamar-lhe Boca do Inferno.

2 comentários:

Paulo Marques disse...

Gostei muito dessa lenda portuguesa, tanto que é um material sobre o qual não existe muita divulgação, se possível, gostaria de poder ver aqui no Portugal Esotérico, mais artigos a esse respeito!

Abraço e parabéns pelo óptimo blog!

Anónimo disse...

ççççççççççççççççççççççç



















ççççççççççççççççççç